sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Rough Play e a loucura artística


Eu ia fazer uma resenha para o filme, mas achei que seria comum demais para um filme controverso como este. Ah, confessa, fala agora aqui, só entre gente, você ficou esperando só para ver como é que o Lee Joon ia se sair naquelas cenas, né? Confesso que eu nem sabia do lançamento deste filme. Fiquei sabendo por acaso porque uma amiga assistiu e ficou o tempo todo comentando sobre comigo. Aí fui conferir, né? Nem sou curiosa...
E a minha surpresa foi muito boa. Ao contrário do que vocês podem pensar, não foi pelo o Lee Joon estava lindo no papel ou pelas cenas calientes. O filme é bom mesmo, do começo ao fim. É perturbador, do tipo que faz você ficar lembrando de algumas cenas durante algum tempo. Arrisco dizer que é marcante.
Desde que vi esse menino sensualizando na depressão do posto de gasolina - vide o gif abaixo -, descobri que ele era o top na balada da interpretação. Claro que nunca tinha dado muito crédito, pois, tirando o HeeChul, não sou muito a favor de k-idols que ficam se aventurando de drama em drama. A grande maioria deles só faz cagada em cima de cagada e, às vezes, fico meio envergonhada de tentar defender a minha arte. No entanto, com Lee Joon tudo é diferente. Já começo dizendo que fiquei toda orgulhosa quando vi ele dizer que foi o primeiro projeto que ele escolheu sozinho mesmo, que decidiu fazer porque quis. Aí já viu, né? Fiquei toda boba com o meu bias se revelando. Depois disso tudo, só tenho a dizer parabéns por ter escolhido um projeto tão ousado e, sobretudo, ter feito uma boa escolha.


Agora vamos falar do filme que já enchi demais a bola do Joonie lindo. O filme é intenso e não tem um ritmo muito gradativo. Obviamente, vez ou outra, você descobre que vai acontecer uma cena de tensão, afinal, sempre acabam sendo intercaladas com momentos mais lentos, como Oh Young, o prota da história, em premiações e lançamentos juntamente com os outros atores, como nas cenas sexuais, em que mostra o presente, a vida pessoal dos artistas como ela é de verdade e como eles são na frente de câmeras e repórteres.
Entretanto, nada, eu repito, NADA me deixou mais surpresa que os beijos do filme. Ok, era beijo técnico, literalmente, mas, não ficou naquela coisa sem graça de selinho ou mexer de bocas dormentes, como You're My Pet - desculpa, Jang Geun Suk, meu amor! Teve um momento no filme que pensei ter visto uma língua, mas aí voltei a cena e vi que era coisa da minha cabeça, que língua seria uma evolução muito grande, quase como tentar dar quatro passos de uma vez só.
Outra fato que quero ressaltar é que, mesmo que soe assim, se você não prestar atenção, Oh Young já tinha problemas com o estrelismo desde antes da fama. Sua indisciplina já vinha desde a pobreza, quando trabalhava no teatro e a peça em que trabalhava nunca era concluída enquanto ele estava no elenco, pois o bonito não seguia o roteiro e sempre acabava "incrementando" as cenas.
Rough Play é um bom filme e merece atenção,  dedique um pouco do seu tempo a conhecer o louco mundo das estrelas, tenho certeza de que não irá se arrepender. Todavia, não desligue o filme pensando que todos os atores, ou artistas no geral, são da forma como é retratado. E, sim, estou defendendo a minha classe, gente. Quer saber? Fiquem com o gif do Lee Joon mostrando toda a sua sagacidade aloucada.